Alice in process…

Instead of the question “Who is Alice?” there are now paths leading to what Alice might come to be…

31 Aug 2009

Alicinações de Adriana Peliano | Alice in Wonderland Characters

Fotos: Nicolau El Moor



ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS | ALICE IN WONDERLAND

PERSONAGENS | CHARACTERS

1998


Coelho Branco White Rabbit


O Coelho Branco foi o ponteiro de Alice para o País das Maravilhas. Passou apressado sempre atrasado, de relógico boca dando corda para Alice ir correndo atrás dele. Vê se não dê mola e saltitantes que seja tarde! Coelho da linguagem, engrenagem movimentes.


The White Rabbit made Alice burn with curiosity. This one has a clock as its mouth, always chasing the time, always late.
Rabbit of the language, has no body. Jumps and starts in several curves, springs and spirals, masks and tricks.

“É tarde, é tarde, tão tarde até que arde! Ai, ai, meu Deus! Alô! Adeus! É tarde, é tarde, é tarde!”
Coelho Branco na Disneylândia




Lagarta Caterpillar


 Andando entre a vegetação rasteira e medindo aproximadamente 8 centímetros, Alice encontra uma lagarta sentada sobre um cogumelo,
fumando um narguilé.
O cogumelo de chapéu amarelo é uma labirintica-à-beça e psicodelícia, terra das alicinações. Sobre um disco perfeitamente circular, discurso ao redor do mesmo ponto, se enrosca o corpo da Lagarta. 

A boca de Dali é um narguilé surrealista que nos pergunta quem somos, nos deixando em eterna dúvida sobre quem é quem. Lagarta, cogumelo e narguilé, mecanismo de identidade infinita em contínua transformação.


Caterpillar
Alice found the Caterpillar sitting on a mushroom and smoking a hookah.
The mushroom is an amazing psychedelic head and its hat is a perfect rounded record, turning around the same point.
Salvador Dali’s mouth is a surrealistic hookah, asking Alice for her identity, asking us for its own nature. The Caterpillar, the mushroom and the hookah mix with each other building a multiple identity in continuous transformation.


“A Lagarta e Alice olharam-se por algum tempo em silêncio. Finalmente, a Lagarta tirou o narguilé da boca e perguntou, em voz lânguida e sonolenta: ‘Quem é você?’ ‘– Eu ...eu... nem mesmo sei, senhora, nesse momento ...eu... enfim, sei quem eu era quando me levantei hoje de manhã, mas acho que já me transformei várias vezes desde então.” (capítulo V – Conselhos de uma lagarta)




O Chapeleiro Louco Mad Hatter


O Chapeleiro brigou com Tempo que parou o relógio às seis horas da tarde, pra sempre na hora do chá.
Múltipla personalidade, carcaça de relógico afogada no ser ou não ser.
Chá + Pé + Lelé vive com a Lebre de marcha ré (march hare).
O chá do chá – peleiro que sabe jogar xadrez, mas que joga chá à três.
Cha – peleiro de boca de xícara ou a xícara que bebe na xícara de chá.


Tea in English, chá in Portuguese. Feet in english, pés in portuguese. Cha+pés=chapéus in portuguese, hat in english. Buffoon to the Queen court, he had a fight with the time that stopped to him, and now forced him to leave always at six o’clock. Skeleton of a clock which doesn’t work anymore. Hatter with a cup as a mouth, so the cup drinking in a cup.

“– Se você conhecesse o Tempo tão bem como eu conheço – disse o Chapeleiro – não falaria em gastá-lo como se ele fosse uma coisa. Ele é alguém. – Não sei o que você quer dizer – respondeu Alice. – Claro que não sabe! – disse o Chapeleiro, inclinando a cabeça para trás com desdém. – Diria mesmo que você jamais falou com o Tempo! – Talvez não – replicou Alice cautelosamente – mas sei que tenho de marcar o tempo quando estudo música. – Ah! Olhe aí o motivo! – disse o Chapeleiro. – O Tempo não suporta ser marcado como se fosse gado. Mas se você vivesse com ele em boas pazes, ele faria qualquer coisa que você quizesse com o relógio. “ (capítulo VII – Um chá bastante louco)




A Lebre de Março March Hare


A Febre de Março e o Chapeleiro fora de moda são os carteiros do Rei do outro lado do espelho. Mas através do espelho tudo se inverte. O careteiro vira de bananeira e mergulha de ponta cabeça no chá. De pernas pro ar, orelhas que se arte-pulam.


March Hare
The March Hare is also hare brained. As a nonsense inversion, its legs becames its long ears. Always articulating and attacking the common sense and the good manners.



“– Eu digo o que penso – apressou-se Alice a dizer. – Ou pelo menos… pelo menos penso o que digo… é a mesma coisa não é? – Não é a mesma coisa nem um pouco, protestou o chapeleiro. – Seria o mesmo que dizer que “Vejo o que como”, é o mesmo que “Como o que vejo”. – Seria o mesmo que dizer – acrescentou a Lebre de Março – que “Gosto daquilo que consigo” é o mesmo que “Consigo aquilo de que gosto”. – Seria o mesmo que dizer – acrescentou o dormundongo*, parecendo falar enquanto dormia – que “Respiro quando durmo”é o mesmo que “durmo quando respiro.” No seu caso é a mesma coisa – disse o Chapeleiro.”
(capítulo VII – Um chá bastante louco)




O Dormindongo Dormouse


Dormindongo que dorme no ponto, vive com o Chapeleiro que parou no tempo e a Febre de Morte. Pra sempre na hora do chá, xícara e lâmpada que se desloucam para raramente acordar.

Dormouse
It is in the mad tea party. A tea pot and a cup, can be changed to fall asleep or to wake up.




Os dois Lacaios:

Loucaio Peixe Fish Footman


Lacaio que chega do bosque, nadando em sua cabeleira.
Trás as cartas da Rainha para a Duquesa, para a Pata deixa mensagens da Tainha.
Peixe fora d’água, boca que é jarra jorrando palavras.
 


Fish Footman
The Fish-Footman arrives from the wood, swimming on its own curl. Fishing out of the water, mouth as a vase dropping words.


"Durante um ou dois minutos ficou diante da casa, perguntando-se sobre o que devia fazer, quando de repente surgiu um lacaio correndo de dentro do bosque (ela considerou um lacaio por que estava de libré, mas a julgar pela cara diria apenas que era um peixe), o qual bateu ruidosamente à porta. Essa foi aberta por um outro lacaio de libré, com uma cara arredondada e grande olhos de rã. Os dois lacaios tinham cabeleiras empoadas e encaracoladas. Alice ficou curiosíssima de saber o que se passava e esgueirou-se furtivamente do bosque para escutar." (capítulo VI – Porco e pimenta)



Loucaio Rã Frog Footman

Alô! Aloucaio da Duquesa!? Será que eu posso falar?
Ele até que responde mas nunca se toca. Telefone sem fio vive dando o fora no gancho.

Frog Footman
The Frog Footman sends and receives messages. Double relation on form and function.

“– Como é que eu posso entrar? – perguntou Alice outra vez em tom mais alto. – Você precisa entrar de qualquer modo? – disse o Lacaio. – Essa é a primeira questão, você sabe. Era, sem dúvida: só que Alice não gostou nada que lhe dissessem isso. “É realmente medonha”- murmurou para si mesma – “a mania que essas criaturas têm de discutir. É de enlouquecer qualquer um!” (capítulo VI – Porco e pimenta)


A Duquesa e o Bebê The cook, the Duchess and the baby



A Duquesa ilustrada por Tenniel nas ilustrações originais de Alice, foi inspirada num quadro do pintor seiscentista Quentin Matsys, retratando muito provavelmente Margarete Maultasch, que ficou conhecida como a mulher mais feia da história. “Margarete Maultasch” significa “pocket mouth”, ou boca de bolso. (Ver Annotated Alice) 

Duquesa horrorosa com boca de bolseta. Em Pata na cozinha que é tabuleiro de xadrez. Chave do boca que torce a porca, ou bebê que se contorce e se transforma num porco.
Duck + chess = Duchess (nariz de pato + xadrez = duquesa)


A Cozinheira

Essa cara de pau está muito ocupada mexendo a sopa e atirando pra todo lado.
Cozinheira apimentardemais: mais pimenta, mais pimenta!



Duchess with the baby

The Duchess illustrated by Tenniel and then creating a long tradition, was inspired on a picture of XVI th century. The canvas was painted by Quintin Matsys, depicting probably Margarete Maultach, known as the ugliest woman in the history. As “Maultach” means “pocket mouth”, this Duchess has an wide open pocket mouth.
Her arms are wrenches to distort the baby. Duck + chess = Duchess.

The Cook
Wooden spoon stirring the soup. Peppering cook, jumping and firing.




O Bebê que virou Porco Baby turned into a Pig




Dessa vez foi só arrancar os braços e as pernas do seu corpo para que ele parasse de espernear tanto e desatasse, virando um porco.

Baby turned into a Pig
It was just to extort its arms and legs and then it stopped kicking. 


“Logo que descobriu uma maneira adequada de acalentá-lo (que consistia em retorcê-lo como se fosse um nó, conservando bem presos a sua orelha direita e seu pé esquerdo, afim de evitar que ele desatasse), carregou-o para o ar livre. “Se eu não levar essa criança comigo” – pensou Alice – com certeza vão matá-la qualquer dia desses. Não seria um crime deixá-la aí?” (Capítulo 6: porco e pimenta)



O Gato de Cheshire Cheshire Cat



As respostas do gato filosófico já deram muito o que falar. Martin Gardner, numa edição comentada sobre Alice, conta que John Kemeny colocou esse trecho da história no início de um capítulo sobre a ciência e os valores, no livro A philosopher Looks at Science (1959). Para ele a resposta do gato expressa muito precisamente o eterno conflito entre a ciência e a ética. Se por um lado a ciência não pode nos indicar para onde ir, a partir dessa decisão com base em princípio e valores éticos, ela pode nos oferecer o melhor caminho para chegarmos lá.
Visão perspicaz, o guidon de uma Harley Davidson expressa o domínio da direção, a decisão para onde ir. A roda por sua vez, pode nos conduzir até onde queremos chegar, mas sozinha não tem direção.



Cheshire Cat
In Annotated Alice, Martin Gardner tells us that John Kemeny in the book ‘A philosopher looks at science’ (1959) compared this famous dialogue and the relations between science and ethics. The science cannot tell us where to go, but after this ethic decision, can show the way to arrive there.
This duality is depicted on the eyes of the philosofical cat. The handlebar of a Harley Davidson express the decision of where to go, and the wheel can take us, but itself doesn’t have direction.



“– Gatinho de Cheshire – (...) – Podia me dizer, por favor, qual é o caminho para sair daqui? – Isso depende muito do lugar para onde você quer ir – disse o Gato. – Não me importa muito onde ... disse Alice. – Nesse caso, não importa por onde você vá – disse o Gato. – Contanto que eu chegue em algum lugar – acrescentou Alice como explicação.– É claro que isso acontecerá, desde que você ande durante algum tempo. Isso Alice viu que era impossível negar.” (capítulo VI – Porco e pimenta)



O Carrasco Executioner

Carta da Corte. Corta o baralho. Sentença de Morte. Tábua de corte, gilete e tesouras. Cortem-lhe a cabeça!
Quando ele foi chamado para decapitar o gato de Chershire, entrou em conflito com o Rei de Copas.
A posição do carrasco era de que:
"não se podia cortar uma cabeça que não estivesse presa num corpo." (capítulo VIII – O campo de croquet da Rainha)


Não dá mesmo cortar com os braços cruzados e essa é a posição do carrasco.


Executioner
One card of the pack, the executioner of the Queen and the King of Hearts. Cutting board, plate to cut as a mask and scissor- arms.
When he is invoked to cuts off the Cat’s head, his argument is that “you couldn’t cut off a head unless there was a body tu cut it off from.” Crossed arms refusing to cut.



Rei de Copas King of Hearts



O Rei de copas é tímido e submisso às ordens da Rainha de Cooortem-lhe a cabeça!
Rei de coração na mão e zíper aberto. Tábua de cortar carne com duas cabeças (como nas cartas do baralho). Só que uma já foi cortada. Vira então peça de quebra cabeça.
Tesoura aberta que é óculos e bigode, mas que é também a sua própria cabeça ameaçada. Quando apelou para que o carrasco cortasse a cabeça do gato de Chershire, o ponto de vista do Rei era de que:


“Qualquer um que tivesse uma cabeça poderia ser decapitado.” (capítulo VIII – O campo de croquet da Rainha)

King of Hearts
The King of Hearts is shy, week and meek to the castrating Queen. Cut board of cutting, he has now two heads as the cards of the pack. But one of that was already cut off, and he became a puzzle peace.
When he invokes the executioner to cuts off the cat’s head, his argument is that “anything that had a head could be beheaded, and that you weren’t to talk nonsense.” Of course he had his own head threated.




A Rainha de Copas Queen of Hearts



Quem foi que disse que a Rainha de cócoras não tem coração? Ela tem muitos corações, tesouras de copas, de cortar qualquer coração. Ela tem muita cor e ação.
Na fantasia a Rainha é sexy, poderosa e dominadora. Será que o Rei...
Cálice agora ou então corto-lhe a cabeça!

“- Qual é a graça?” – perguntou Alice. – “Ora, ela é que é engraçada” – disse o Grifo. – “Você sabe, isso é tudo fantasia dela: nunca executam ninguém. Vamos!” (capítulo IX – A história da falsa tartaruga)

Queen of Hearts
Card of the pack. Head up and head down. “Off with her head”. Cut and be cut because the meaning is always double meaning.
Who said that the Queen doesn’t have a heart? She has many hearts, inversions in many sides, as the cards. Scissors of hearts, scissor with double head, cut heart, cut head. Calix of a bloody white rose. Castrating Queen, powerful and exuberant sexuality. But as said the griphon very smartly, it’s all her fantasy.



A Falsa Tartaruga Mock Turtle



A falsa tartaruga era uma referência a uma prato muito conhecido na Inglaterra vitoriana, uma sopa de tartaruga verde que era muitas vezes feita com carne de vitela. Em função disso, a falsa tartaruga aparece nas ilustrações originais de Alice com a cabeça, as patas e a cauda de bezerro.
Essa falsa tartaruga tem o casco de prato vazio de sopa e a cabeça de colher partida. Ou será a pata de um bezerro? Ou ainda a lágrima caída de um prato vazio? Bem, pode ser tudo fantasia dela.


Mock Turtle
According to Martin Gardner, the Mock turtle was a reference to the green turtle soup, usualy made from veal. This is why Tenniel drew his mock turtle with the head, hind hoofs, and tail of a calf.
This Mock turtle has a skull like an empty soup plate, and a head like a spoon in the shape of the calf’s hoofs.


“Que bela sopa!
Quem não se baba, quem não a papa!
Quem não a gaba!
Quem não daria tudo só para beliscar essa bela Sopa?!” (capítulo X – A Quadrilha da Lagosta)



No comments:

Post a Comment