Alice in process…

Instead of the question “Who is Alice?” there are now paths leading to what Alice might come to be…

31 Oct 2010

La damme ovale by Leonora Carrington and Max Ernst



Max Ernst   005 a
Leonora Carrington, La Dame Ovale/avec sept collages par Max Ernst, 
(Paris, Guy Lévis Mano, 1939), La Débutante, p. 20.


Max Ernst   003 a
Leonora Carrington, La Dame Ovale/avec sept collages par Max Ernst,
(Paris, Guy Lévis Mano, 1939).


Found at "Digitalis Kitsch Blog" HERE



Lewis Carroll


John Tenniel

Semana passada tive contato com o artigo "Alice dans mythologie surréaliste" de Isabelle Chevrel. Um trecho em especial eu não conseguia compreender pelo obstáculo da língua. Pedi então que minha vizinha Thereza (professora de literatura francesa) traduzisse do francês. Só hoje encontrei essas imagens fascinantes flanando pela internet. Enquanto preparava esse post, minha vizinha bateu na porta. Descobri que o trecho que ela traduzira correspondia exatamente a um comentário sobre essa primeira imagem de Max Ernst.

Nesse artigo que comentei, Isabelle Chevrel aponta uma conexão que presenciamos aqui. Max Ernst possivelmente já conheceria as ilustrações de John Tenniel para Alice quando realizou essa colagem para uma edição de "A dama oval" de Leonora Carrington. Lewis Carroll era um dos escritores favoritos de Max Ernst, que ilustrou ele mesmo algumas obras do autor, entre elas "A caça ao Snark". Na figura apresentada, a menina se encontra com um ser estranho, parte composto por um casulo enigmático. Nos lembramos imediatamente do encontro entre Alice e a lagarta, que se tornaria também crisálida e então borboleta. A transformação da lagarta entretanto, fica apenas como uma promessa, ela não se materializa no livro de Alice. Diante da lagarta, Alice também se estranha, depois de ter se transformado tantas vezes naquele dia, e a transformação se estabelece como o elo decisivo no diálogo em questão. A pergunta da lagarta - quem é você? - aponta aqui para o reconhecimento de uma identidade em trânsito.

Acredito entretanto que seria mais interessante pensar nas ilustrações originais do próprio 
Lewis Carroll . Ao contrário das ilustrações de Tenniel, adaptadas confortavelmente ao bom gosto e ao senso comum da Inglaterra vitoriana, as ilustrações de Carroll ousam no estranhamento, no elogio à ambiguidade e fazem emergir criaturas híbridas e metamórficas, que sugerem correspondências com os bestiários surrealistas.  Chamo aqui a atenção para um encontro faiscante entre a dama oval dos sonhos de Carrington e Ernst e a lagarta telúrica e onírica dos sonhos de Alice e Carroll.


Será que esse livro que ela segura nas mãos é o livro de "Alice no país das maravilhas"?


In "Alice dans mythologie surreal," Isabelle Chevrel indicates a connection that we witness here. I have already noticed it just before I found her arguments. Max Ernst probably already knew Tenniel's illustrations for Alice when he realized his collages for the edition of "La damme ovale" by Leonora Carrington. Lewis Carroll were one of Ernst's favorite authors and has illustrated some of his books, including "The hunting of the Snark". The girl in the picture above meets a strange being, an hybrid creature with an enigmatic cocoon as a head. It resembles the encounter between Alice and the caterpillar, who will became a chrysalis and then a butterfly. The question of the caterpillar - Who are you? - points to a recognition of an identity in metamorphosis.

I believe, however, that it would be interesting to think about the original illustrations from Lewis Carroll himself. Unlike Tenniel's illustrations, adapted to the good taste of Victorian England, the illustrations of Carroll dare into the unknown, proposing strange and hybrid creatures that bring out correspondences with the Surrealist bestiaries. Here I draw attention to a magic encounter between the oval lady and the caterpillar. Who are you? They question us.

Does this book she holds is "Alice in Wonderland"?

No comments:

Post a Comment