Alice in process…

Instead of the question “Who is Alice?” there are now paths leading to what Alice might come to be…

26 Oct 2010

Becoming


Alice becomes a flower, becomes a fruit, Alice becomes...



Rene Magritte





Rene Magritte



Rene Magritte



"As figuras de Magritte perdiam em identidade, 
mas ganhavam em mistério e diversidade."
Marcel Paquet


Rene Magritte
Alice au pays des merveilles, 1945
found HERE



Alice continuou andando sem saber para aonde ia, quando encontrou mais uma figura enigmática. Era a Alice no país de René Magritte. A imagem não ilustrava a sua história conhecida, mas recriava o país das maravilhas no mundo de Magritte e suas obsessões e referências estéticas. Ele animou os objetos dando-lhes rostos. O grande foco do artista era o mistério inerente aos objetos. Magritte jogava com o aparente e o oculto, questionando a identidade visível, buscando uma dimensão curiosa e maravilhosa por trás da sua forma evidente. 

Ele tornava visível o invisível, desafiando a lógica e o bom senso. Seus títulos questionavam a relação entre as palavras e as coisas. Como reconhecer Alice no país das maravilhas naquela imagem, mais próxima talvez do mito de Dafne? Seus títulos não serviam para descrever ou definir uma identidade. Ao contrário indicavam um falso caminho cuja função era confrontar a lógica das palavras e das representações. Como Alice, as figuras de Magritte perdiam em identidade, mas ganhavam em mistério e diversidade . 

Alice da pintura era estranhamente ameaçada por uma fruta gigante num mundo de desproporções e metamorfoses, onde os seres inanimados ganham vida numa visão animista e arcaica. Um mundo onde nada era o que parecia ser. Alice reconhecia nele a admiração pela criança e a sua capacidade de perceber novas relações que escapam aos adultos. 

Percebeu ali que o que unia os surrealistas às ideias de Lewis Carroll era também a compreensão de que os pensamentos e sentimentos não precisam ser totalmente compreensíveis pela mente consciente e pela razão. Magritte fazia com que ela acreditasse no impossível, como a Rainha Branca do país do espelho, buscando a visão da noite secreta das coisas.




No comments:

Post a Comment