Alice in process…

Instead of the question “Who is Alice?” there are now paths leading to what Alice might come to be…

1 Sep 2009

LEIA-ME | READ ME




BIBLIOGRAFIA SELECIONADA

Parte integrante do livro:

Originais: Annotated Alice, 1960; More Annotated Alice, 1990; 
The Annotated Alice: the definitive Edition, 2002.
Tradução de Maria Luiza de X. Borges. Introdução e notas de Martin Gardner.
Ilustrações originais de John Tenniel (Inglaterra).

Obras de Lewis Carroll

Algumas edições brasileiras das obras de Lewis Carroll

Edições anotadas dos Livros de Alice
Edições ilustradas de Alice



Cartas de Lewis Carroll

Produções Teatrais de Alice
Biografias de Lewis Carroll
Críticas de Carroll



Interpretações psicanalíticas de Carroll

Sobre Carroll como lógico e matemático
Sobre Alice Liddell
Bibliografias


Sobre nonsense

Sobre Tenniel e outros ilustradores






CRIAÇÕES LITERÁRIAS


BUENO, Wilson. Alice mínima.



BUENO, Wilson. O coelho fillosófico.



BUENO, Wilson. O gato peludo e o rato - de - sobretudo.



PELIANO, Adriana. Clalice. Uma história de amor ente Alice e Clarice Lispector.



PELIANO, José Carlos. Desalice.



PELIANO, José Carlos. Doralice.



PELIANO, José Carlos. O filho bom e o som igual. Homenagem à Wilson Bueno.


SANTOS, Itamar. Buscas. Pinóquio e Alice num jardim renascentista.

LEIA ME


TESES E ARTIGOS ACADÊMICOS ALICIANOS

AMORIM, Lauro Maia. Translation and adaptation: differences, intercrossings and conflicts in Ana Maria Machado's translation of "Alice in Wonderland" by Lewis Carroll
Cadernos de tradução, Florianópolis, v. 01, n. 11, p. 193-209, 2004.

ARRIGUCCI, Davi. Alice para adultos.
In. Outros achados e perdidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
Alice for adults

ÁVILA, Myriam. Alice through Macunaíma's looking glass.
(Dissertação de Mestrado em Literatura de Expressão Inglesa). Belo Horizonte, Faculdade de Letras/UFMG, 1986.

BENEVIDES, Ricardo. Alice e o tamanho: As potencialidades da transformação
 do personagem e do próprio leitor.
Alice and the size: the capabilities of the character’s and the reader’s transformation

BORBA, M.C.S. Two Brazilian - Portuguese Translations of wordplay in "Alice's adventures in Wonderland"
Cadernos de Tradução, Florianópolis, v.2, pp. 115-26, 1997.
BUENO, Wilson. O sentido do nonsense. Palestra dada no evento da Sociedade Lewis Carroll do Brasil "Um dia, Alice" em 11/05/2010.
The sense of nonsense.


CALDAS, Heloisa. Sexo e lógica na escrita de Lewis Carroll.
Clique - Revista dos Institutos Brasileiros de Psicanálise do Campo Freudiano. Belo Horizonte - MG: , v.2, p.75 - 79, 2003
Sex and logic in the writing of Lewis Carroll

CAMPOS, Augusto. anticrítica de alice. in. o anticrítico. São Paulo: Companhia das letras, 1986.
anticriticism of alice.


CASTRO, L.F. Leituras de "Alice no país das maravilhas": entre o texto original e algumas versões.
In: III Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil do Oeste paulista, Presidente Prudente: UNESP, 2006.
Readings of Alice in Wonderland: between the original text and some other versions
COGNARD - BLACK, Jennifer. Sue Johnson's Curious Cabinets.


COSTA, Cynthia Beatrice. Versões de Alice no País das Maravilhas: da tradução à adaptação de Carroll no Brasil.
Programa de Estudos pós-graduados em Literatura e Crítica Literária / PUC. São Paulo, 2008.
Alice in Wonderland versions: from translation to Carroll's adaptation in Brazil

FARIA, Z. Sobre a traduzibilidade de Alice no país das maravilhas.
In: Simpósio de literatura comparada,1, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: UFMG, 1987. pp.788-95.
The possibilities to translate Alice in Wonderland

HAIDEE, Aline. Análise interpretativa do Romance "Alice no País das Maravilhas".
UNIPAM. Orientação do Prof. Dr. Luís André Nepomuceno.

Interpretative analysis of Alice in Wonderland Novel



LIMA, Maria José Batista de. A Recepção crítica à obra "Alice no país das Maravilhas", após a adaptação de Monteiro Lobato.
FAISA – Faculdade de Ilha Solteira, SP.
The receptive critique of the book “Alice in wonderland”, Adapted by Monteiro Lobato

MACHADO, A. M. Um passeio inesquecível
In: Carroll, L. Alice no país das Maravilhas. Traduzido por Ana Maria Machado. São Paulo: Ática, 1997. pp. 7-9.
An unforgettable Stroll

MACHADO, A. M. Lewis Carroll: um tímido que fez revolução
In: Carroll, L. Alice no país das Maravilhas. Trad. Ana Maria Machado. São PAulo: Ática, 1997. p. 131-36.
Lewis Carroll: an introverted that made a revolution

MAXIMO, G. Duas personagens em uma Emília nas traduções de Monteiro Lobato.
Campinas: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Estudos da Linguagem: [s.n.], 2004. Dissertação (mestrado).
Two characters in one Emilia in Monteiro Lobato’s translations

MEIRELES, Cecília. Alice no País das Maravilhas in. Problemas da Literatura Infantil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fonteira, 1984.
Alice in Wonderland.



MUGNANI, Ayrton. Alice faz, aqui se canta, um assunto realmente alicinante.
Alice in music.



NOGUEIRA, Adriana Tanese. Alice no País das Maravilhas: O filme de 2010. Uma crítica psicológica feminista.
A feminist and psychological critique of Tim Burton's Alice.



NÖTH, Winfried. As aventuras de Alice no país da Semiose. in. Panorama da Semiótica - de Platão à Pierce. São Paulo: Annablume, 2008.
Alice's adventures in semioticsland.



UCHÔA LEITE, Sebastião. O que a tartaruga disse à Lewis Carroll.
In:
Aventuras de Alice.
Traduzido por Sebastião Uchôa Leite. São Paulo: Summus, 1980. (3a edição) pp. 7 -31

What the turtle says to Lewis Carroll.


UCHÔA LEITE, Sebastião. A queda, a vertigem, o pesadelo. in. Crítica Clandestina. Rio de Janeiro: Taurus editora, 1986.
The fall, vertigo, nightmare.


UCHÔA LEITE, Sebastião. Humpty Dumpty: o poder e a palavra. in. Crítica Clandestina. Rio de Janeiro: Taurus editora, 1986.
Humpty Dumpty: the power and the word.



PELIANO, Adriana. Alice no gabinete de curiosidades de Jan Svankmajer.
Alice in the cabinet of wonders of Jan Svankmajer.



PELIANO, Adriana. Alice no Sítio do Picapau Amarelo.
Alice on the Yellow Woodpecker Ranch.




PELIANO, Adriana. Diálogo de Linguagens: Ilustração, tradução e transcriação.
Dialogue of Languages: Illustration, translation and Transition.


PELIANO, Adriana. Diário de uma Alice.
Alice's Diary.



PELIANO, Adriana. Sobre a Alice de Tim Burton.
Go ask Tim Burton.



PELIANO, Adriana. Kingdom of crooked mirrors.



PELIANO, Adriana. Diálogo entre figuras: As Reinações de Alice e as aventuras de Lúcia.



PEREIRA, Nilce M. Brincando com as palavras: a tradução dos trocadilhos em "Alice in Wonderland". Todas as Letras (São Paulo), São Paulo, v. 1, n. 4, p. 69-80, 2002.
Playing with the words: the translation of the ambiguity in Alice in Wonderland.


PEREIRA, Nilce M. Book illustration as intersemiotic translation: the case of "Alice in Wonderland" in Brazil.
In: Dorothy KENNY; Kyongjoo RYOU (eds.). (Org.). Across Boundaries: International Perspectives on Translation Studies. Newcastle: Cambridge Scholars Publishing, 2007, v. , p. 56-77.


PINTO, Gabriel Faria Soares. Análise filosófica da obra "Alice no País das Maravilhas".
Philosophical analysis of "Alice in Wonderland."



PUGLIA, Ana. Alice no país das marcas.
Alice in the land of brands.



ROMÃO, Lucília Maria Souza. No país das maravilhas: uma metáfora sobre o dizer na rede. Revista Magna. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura - Ano 02 - n.03 - 2º Semestre de 2005.
In Wonderland: a metaphor for the network and the hipertext.


SANTOS, Itamar. Buscas. (Pinóquio e Alice num jardim renascentista.)



SCLIAR, Moacyr. Enxaqueca como fonte de inspiração.
Migraine as a source of inspiration.



SOARES, Ana Claudia Marinho. "Amor cortês: uma forma de sublimação". Parte da Dissertação de Mestrado “Amor Transferencial e Arte: do laço à criação”. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia. Junho de 2009.
Courtly love: a form of sublimation.

VASQUES, Cid Marcus. Mapa astrológico de Lewis Carroll.
Lewis Carroll's Natal Chart.


WESTPHALEN, Flávia; BOFF, Nicole; GREGOSKI, Camila e GARCEZ, Pedro. Os tradutores de Alice e seus propósitos.
The translators of Alice and their purposes.

WINFRIED, Nöth. As aventuras de Alice no país da semiose. in. Panorama da semiótica - de Platão à Pierce. São Paulo: Annablume, 2008.
Adventures of Alice in the land of semiosis.



ARTIGOS DE PERIÓDICOS

Just good friends? The guardian.



VEJA-ME

Alice – A menina aos 130 anos.Freitas, Conceição.
Correio brasiliense. Brasília, 1/10/95.

Alice mora aqui.Almeida, Carlos Helí.
Personagem de Carroll inspira filme, peça, catálogo de moda e poema de Antônio Cícero.
O Globo, segundo caderno. Rio, 5/04/1997.

O mundo dos espelhos de Lewis Carroll.Jobim, Nelson Franco.
JB, caderno B. 6/07/1997.

A imaginação ilimitada e o nonsense na correspondência de Lewis Carroll.Name, Daniela.
O Globo, prosa & verso. Rio, 16/08/1997.

Livro vai revelar pecados de Lewis Carroll.Haag, Carlos.
O Estado de São Paulo, 23/08/1997.

As paisagens de palavras de Lewis Carroll.Adriano, Carlos.
Folha de São Paulo, Mais! São Paulo, 11/01/1998.

Lewis Carroll cruzou o espelho há cem anos.Machado, Cassiano Elek.
Folha de São Paulo, 14/01/1998.

Lewis Carroll – Exposição na Morgan Library comemora o centenário da morte do autor de “Alice no país das Maravilhas”Nolasco, Sonia.
Gazeta Mercantil, 31/05/1998.

Pra gente grande.
O Fantástico Sr. Raposo é uma animação com bonecos, tirada de uma história para crianças. Mas é um filme feito acima de tudo para adultos - e um filme brilhante. Não será o único no gênero: Onde Vivem os Monstros e o ainda inédito Alice de Tim Burton também usam autores infantis em criações complexas.

No comments:

Post a Comment